Entenda a importância da Gestão de Riscos Financeiros para a sua empresa
Gestão Financeira

Entenda a importância da Gestão de Riscos Financeiros para a sua empresa

Toda atividade econômica implica riscos, isso você já sabe. Mas você sabe que por meio da gestão de riscos financeiros é possível lidar com as flutuações e imprevisibilidades do mercado? Sabe também que é possível prever mudanças, reduzir impactos negativos e reagir de modo adequado a um evento inesperado? Pois é! 

Surpreso? Gostaria de saber mais sobre o assunto? Então acompanhe este nosso novo artigo e descubra o que é gestão de riscos financeiros e como ela pode ajudar sua empresa a crescer com mais segurança.

Boa leitura!

O que é gestão de riscos financeiros e como ela é feita?

Por melhor que você faça o seu trabalho, existe sempre a possibilidade da empresa entrar no vermelho, ou seja, sempre existirá a possibilidade de prejuízo ou de insucesso em razão de algum acontecimento incerto, que independe da vontade das pessoas envolvidas. Por isso, é mais do que necessário que sua empresa conte com uma eficiente gestão de riscos financeiros. 

Esse tipo de gerenciamento consiste em identificar e gerenciar os riscos que o seu negócio pode enfrentar.  Veja bem, não se trata de eliminar riscos financeiros, mas sim de desenvolver uma estratégia para minimizar seus impactos. 

Assim, o objetivo da gestão de riscos financeiros é analisar e mensurar todos os riscos inerentes ao negócio, identificando o potencial de perdas decorrentes e reduzindo os efeitos causados por cada um deles.

Quais são os tipos de riscos financeiros?

Você deve estar se perguntando quais seriam esses riscos financeiros, não é mesmo? Pois então saiba que, basicamente, os riscos financeiros são de quatro tipos: 

1.Riscos de mercado

Estão relacionados às oscilações em cotações e preços, que podem afetar negativamente as finanças da empresa. 

Mudanças drásticas nas taxas de juros, bem como oscilações no câmbio de moeda estrangeira, são exemplos de riscos de mercado. 

2. Riscos de crédito (Riscos de inadimplência)

Estes se relacionam à impossibilidade de uma parte realizar um pagamento ou cumprir suas obrigações com a outra.

Se a empresa não conseguir receber dos seus clientes ou receber com atraso, ela poderá sofrer abalos em seu seu fluxo de caixa

3. Riscos de liquidez

Surge quando os ativos ou títulos da empresa não podem ser imediatamente convertidos em dinheiro. 

Dessa forma, a empresa fica incapacitada de fazer pagamentos de empréstimos aos credores, de fornecedores e também de dividendos para os proprietários e investidores.

4. Riscos operacionais

Surgem de problemas na condução das atividades diárias do negócio. 

Neste caso, a empresa pode sofrer perdas financeiras consideráveis decorrentes, por exemplo, de defeitos em equipamentos, profissionais com baixa qualificação ou softwares obsoletos. 

Quais são as melhores ferramentas para ajudar na gestão de riscos financeiros?

A gestão de riscos financeiros se vale de algumas ferramentas que possibilitam a identificação dos riscos e de suas respectivas formas de correção, evitando maiores perdas para a empresa. 

Confira, a seguir, quais são as melhores ferramentas de gestão de riscos:

What if

Esta é uma ferramenta de fácil compreensão e aplicação  que tem como objetivo identificar os potenciais riscos.

Sua aplicação deve ser realizada com a ajuda de todos o colaboradores, já que é necessário que se especifique todas as operações financeiras, incluindo aquelas de áreas relacionadas, tais como estoque, compras, vendas, etc. 

A ideia é que os colaboradores formulem perguntas para que sejam identificados os problemas que podem ocorrer ao longo dos processos e para isso é utilizada a expressão  “what if”, ou “e se”. 

São exemplos de perguntas que podem ser realizadas:

  • E se o cliente A não pagar o que deve no prazo? 
  • E se não for possível negociar uma condição de pagamento melhor com o fornecedor B? 
  • E se os juros subirem x%? 

A partir dessas perguntas toda a equipe tentará encontrar as respostas que ajudem a determinar a causa, a consequência e o que deve ser feito para evitar os problemas elencados.

A grande vantagem desta ferramenta é que ela torna possível enxergar a situação de maneira ampla, levando-se em conta vários aspectos. 

Análise preliminar de risco (APR)

Esta outra ferramenta é muito usada na área de segurança e saúde do trabalho, mas pode também ser usada na área financeira. Seu objetivo é identificar os riscos de uma operação ainda na sua fase de implantação. 

Sua aplicação consiste em descrever o trabalho a ser realizado em detalhes, assim como delimitar os profissionais envolvidos, os recursos que serão utilizados e os  problemas que podem acontecer.

A partir disso, os dados são inseridos em uma tabela padronizada onde: 

  • Na primeira coluna consta a descrição dos riscos;
  • Na segunda, suas potenciais causas;
  • Na terceira, prováveis efeitos;
  • Na quarta, a classificação da ameaça de acordo com sua frequência, severidade e matriz de risco (combinação dos dois itens anteriores); 
  • Por fim, na última coluna, deverão ser apontadas as ações necessárias para prevenção do problema. 

Como se pode perceber, nesta ferramenta de gestão de riscos financeiros há a elaboração de uma espécie de plano de ação.  

Failure mode and effect analysis (FMEA)

Já esta ferramenta, também muito usada na gestão de riscos financeiros, foi desenvolvida pela Nasa nos anos 1960 e por isso é, originalmente, direcionada para a engenharia. Seu objetivo é detectar, classificar e eliminar as falhas existentes antes que os impactos sejam negativos, dando preferência aos problemas mais graves que precisam ser tratados com prioridade.

Para colocá-la em prática, o primeiro passo é identificar todas as falhas e efeitos que podem acontecer. Em seguida, esses itens devem ser priorizados a partir de três fatores: 

  • Ocorrência da falha;
  • Severidade de sua consequência;
  • Detecção, ou seja, a habilidade de ser identificada antes de causar prejuízos.

Dessa forma, é possível verificar quais são os problemas mais graves que devem ser eliminados ou reduzidos por meio de medidas preventivas. 

Conclusão 

Saber quais são os riscos financeiros de uma atividade e o que fazer para preveni-los utilizando as ferramentas corretas é uma necessidade para todo gestor financeiro. Afinal, uma gestão de riscos financeiros realizada corretamente permite que seu negócio se mantenha e cresça de forma saudável mesmo diante das oscilações do mercado e dos contratempos diários

Porém, este tema, como outros relacionados à área financeira, é complexo e exige do gestor uma busca constante por mais conhecimentos. 

Por isso, nada melhor que se manter informado e atualizado por meio dos cursos da BCN Treinamentos e também, é claro, da nossa newsletter

Sobre o autor

Carolina Ferreira Aleixo

Deixar comentário.

Share This