5 boas práticas para fazer um fluxo de caixa perfeito
Gestão Financeira

5 boas práticas para fazer um fluxo de caixa perfeito

Escrito por BCN Treinamentos

Fazer um fluxo de caixa adequado tem relação direta com as possibilidades de crescimento de seu negócio. Isso porque, em matéria de gestão financeira, alguns erros estratégicos podem colocar tudo a perder ou trazer grandes prejuízos à organização.

Antes de tudo, é necessário entender o que é fluxo de caixa. Você saberia apresentar uma boa definição? Fluxo de caixa nada mais é do que o controle das entradas e saídas no caixa de sua empresa.

Tal atividade envolve um esforço de planejamento, pois todas as receitas observadas devem chegar a um volume suficiente para fazer frente a todas as despesas.

No post de hoje, vamos trazer dicas preciosas sobre como fazer um fluxo de caixa. Falaremos sobre como dar organicidade aos dados gerados, sobre ferramentas que poderão auxiliar no seu dia a dia, além de enumerar outras práticas importantes a serem adotadas. Não deixe de conferir!

1. Tenha controle sobre todas as informações

Fazer um fluxo de caixa exige grande organização por parte de quem está incumbido desta tarefa. Tenha em vista que o volume de informações geradas poderá ser gigantesco, o que traz dificuldades para a categorização dos dados.

Quanto a isso, podemos destacar a existência de certas categorias que servem de orientação inicial para quem ainda não sabe por onde começar. Entenda quais são elas:

  • entradas: receitas advindas de vendas de produtos, eventuais empréstimos, receitas não operacionais, entre outras receitas;
  • saídas: despesas operacionais, tributação, fornecedores, folha de pagamento de pessoal, aquisição de equipamentos, pagamento de dívidas, entre outras despesas;
  • fluxo de caixa livre: saldo definitivo observado ao final de cada dia e ao final de cada mês.

Ao estruturar as informações dessa maneira, você terá um controle muito maior sobre as finanças de seu negócio. Ao mesmo tempo, voltamos a afirmar que essa é uma orientação geral para a estruturação de categorias.

Cada empresa, segundo as especificidades de seu caixa, poderá criar novas categorias ou, até mesmo, subcategorias para chegar a uma organização ideal. Quanto mais completas as categorias, menos chances você terá de se perder ao longo dos exercícios financeiros que virão.

2. Invista em algumas ferramentas de gestão

Para a realização de um fluxo de caixa bem organizado e estruturado, as planilhas físicas ou eletrônicas devem ser abandonadas. As chances de se perder informações importantes ou de fazer lançamentos incorretos são enormes ao se valer desse tipo de ferramenta. A causa do problema, muitas vezes, é a alimentação manual das planilhas.

Além disso, há também a falta de “centralidade” das informações. Inúmeras planilhas são criadas para organizar diferentes tipos de informação, e é por isso que a visualização estratégica de todos os dados fica comprometida.

Nesse sentido, nossa dica é para que você invista em ferramentas profissionais de gestão da informação, como alguns softwares de gestão financeira.

Com esse tipo de sistema, você poderá centralizar todas as informações de seu fluxo de caixa, além de usufruir de algumas funcionalidades primordiais, como a geração de relatórios e gráficos. Ademais, tudo poderá ser gerenciado de forma online.

3. Diminua a necessidade de capital de giro

Seu capital de giro é o que vai garantir a continuidade das operações de sua empresa por longos períodos. Com isso, você deve promover ações para que o montante de recursos disponível esteja em um volume adequado.

Isso ajudará, inclusive, na boa gestão de seu fluxo de caixa. Afinal de contas, com recursos escassos, estabelecer uma programação para pagamento de despesas se torna um grande desafio.

Mas como aumentar as receitas com a finalidade de “engordar” o capital de giro? Tendo em vista a realidade específica de cada empreendimento, qualquer recomendação poderá parecer irrelevante. No entanto, alguns apontamentos podem ser feitos.

É importante, por exemplo, estabelecer negociações com seus fornecedores para que os prazos de pagamento sejam estendidos. Ao mesmo tempo, se faz necessário tentar diminuir o prazo de recebimento de seus clientes.

Ao operar dessa maneira, o capital disponível para honrar compromissos financeiros será o menor possível, dando maior margem de investimento para atividades estratégicas em sua empresa.

4. Gerencie bem o seu estoque

A boa gestão de estoque implica em não perder vendas e sempre oferecer aquilo que seus consumidores buscam; ou seja, algo que impacta de forma positiva a reputação de seu negócio. 

Outro ponto fundamental é o montante de capital imobilizado. Quanto a isso, você deve ter em vista que quanto maior for a quantidade de mercadorias não comercializadas por longos períodos de tempo, menos dinheiro você terá em caixa.

Esse tipo de equívoco deve ser evitado a qualquer custo, já que, em momentos com baixo volume de vendas, os recursos destinados para a formação de um estoque “inchado” poderão fazer bastante falta.

5. Trabalhe com projeção de fluxo de caixa

Como já mencionado anteriormente, fazer um fluxo de caixa envolve um esforço de planejamento. Com isso, não podemos deixar de citar o conceito de projeção de fluxo de caixa, que nada mais é do que analisar uma série de demonstrativos financeiros de seu negócio para, então, estimar o desempenho da empresa nos meses futuros.

Trata-se de olhar para o que sua empresa já foi capaz de fazer em determinados períodos para projetar os próximos passos. Na prática, isso é conhecer em quais épocas do ano você poderá ficar otimista ou pessimista com os negócios.

Esse método de trabalho vai ajudar, principalmente, naqueles períodos de mercado desaquecido. Isso porque, ao conhecer com precisão quando as coisas vão mal, você saberá quando promover ações para contornar as situações de dificuldade impostas.

Com o post de hoje, esperamos que você tenha entendido como fazer um fluxo de caixa adequado, além de entender a importância de cuidar bem dessa atividade. Fique ligado, principalmente, em nossas dicas de caráter mais operacional, que poderão mudar a forma como você lida com a gestão financeira.

E aí, o que você achou deste post sobre fluxo de caixa? Conte para a gente nos comentários qual é sua opinião. Caso tenha persistido alguma dúvida, aproveite o espaço para registrá-la e receber a nossa ajuda. Até a próxima!

Sobre o autor

BCN Treinamentos

Deixar comentário.

Share This